Como fazer uma Gestão de Riscos em tempos de Crise

Entender como se faz Gestão de Risco em tempos de crise nunca foi tão necessário quanto agora. O desdobramento do COVID-19 ao redor do mundo tem impactado fortemente a economia global. E, como consequência,empresas de todos os setores e tamanhos já começaram a sentir a repercussão dessa crise econômica nas vendas. 

Por: KALIANE TRINDADE


Para agravar a situação, diversos países entraram em quarentena ou isolamento social voluntário, fechando também os portos e indústrias. Até alguns dias atrás, a China, um dos maiores exportadores de matéria-prima e produtos, estava completamente fechada.


Essas medidas foram tomadas também em outros países: Itália, Espanha, Portugal, Estados Unidos…


Tudo para tentar desacelerar a disseminação do COVID-19.

Diante do cenário incerto, as pessoas estão segurando mais os gastos e investindo apenas no que é necessário, como alimentação e saúde. Inclusive, um relatório da Google divulgado recentemente mostrou que esses dois setores estão em alta em todos os países afetados pelo vírus.


Mas os demais setores apresentam queda drástica. Entre eles, estão Moda e Decoração, dois dos segmentos que seguiam em crescimento acelerado no Ecommerce.


O que traz à tona uma grande necessidade neste período: a gestão de riscos em momentos de crise.


A partir disso, você pode mapear os riscos que sua empresa, prever problemas e antecipar soluções. Ou, pelo menos, criar formas de amenizar o impacto da crise na sua empresa.

Isso vale para qualquer período conturbado como o que estamos vivendo agora. 



O que é Gestão de Risco?

O nome já diz quase tudo o que você precisa saber sobre gestão de risco. 


Risco é tudo que for incerto e que, ao passar do tempo, pode causar impactos negativos no resultado final da sua empresa. Qualquer ameaça ao objetivo final é um risco.


E, conhecendo esse risco, você pode criar uma estratégia preventiva para a situação. Com base numa análise do panorama, você consegue ter uma ideia do impacto real dessa ameaça no seu Ecommerce.


A partir dessa análise, pode tomar as medidas cabíveis para neutralizar ou diminuir o impacto da ameaça nos seus resultados.



Gestão de Crise e Gestão de riscos são a mesma coisa? 


Enquanto a gestão de risco é um processo no qual a empresa identifica os fatores que podem ser uma ameaça futura, a gestão de crise trabalha com soluções caso a crise de fato aconteça.

Ou seja: a gestão de risco é a parte da gestão de crise que traz o plano de ação para combater a crise. O gestor de crise – ou o dono do negócio – vai aplicar todos os procedimentos feitos com base na gestão de risco já planejada para controlar a crise. 

No final, a Gestão de Riscos e a Gestão de Crise se complementam. O trabalho bem feito de uma gestão de riscos facilita e muito o trabalho de controle de um gestor de crise. 

Usando a pandemia do Coronavírus (COVID-19) como exemplo, talvez, se antes de tudo tivéssemos observado o movimento da China e nos preparado, provavelmente nada precisaria ser feito às pressas, no desespero, que é o cenário de grande parte das empresas hoje.

E mesmo que isso não tivesse sido feito, já passamos outros momento de crise econômica, como em 2010, quando os reflexos da crise norte-americana começaram a chegar no Brasil.

E, infelizmente, é provável que outras crises apareçam ao longo do tempo.

O que só reafirma a necessidade de saber fazer boa gestão de riscos… e de crise.

Se você tem um negócio, é importante que esteja preparado para enfrentar situações como essa… sejam elas de impacto mundial ou regional.


Como fazer Gestão de Riscos 

1- Identifique o Risco  

Identificar o Risco que a sua empresa pode correr é o primeiro passo para fazer uma boa gestão de riscos.


Pare e pense: 

  • O que pode afetar a sua empresa? 

  • Quais os aspectos deve levar em consideração para analisar as incertezas? 

  • Há realmente algum ponto incerto? 


Questione tudo o que for necessário e identificável nesse momento.

Caso alguma pergunta não tenha resposta, busque informações para encontrá-la. 

É essencial que você faça uma pesquisa com base no histórico da sua empresa. Reúna todas as informações possíveis relacionadas ao assunto.


Existem algumas ferramentas de marketing que podem agilizar essa etapa. São elas: 

  • Brainstorming,

  • Análise de causa-raiz;

  • Análise SWOT


2- Faça um planejamento 

Após identificar o principal risco da sua empresa, é bom ter um planejamento para te auxiliar na realização de tarefas durante a gestão.


O que está incluído no planejamento: 

  • Metodologia que será usada para gerir a crise;

  • Ferramentas para auxiliar o trabalho; 

  • A forma de execução (o que fará para redução do impacto); 

  • Colaboradores envolvidos.

É uma forma de mapear todas as etapas do processo e como às pessoas envolvidas com essa tarefa vão lidar com a situação. 

Além de deixar claro para todos o que deve ser feito. Caso precise de alterações ao longo do caminho, com um planejamento fica mais fácil de reorganizar.


Com tudo esquematizado, vamos analisar! 



3- Analise os impactos do Risco 

Para analisar os impactos do risco, vamos separar em duas partes: qualitativa e quantitativa. 


Na qualitativa, você deve buscar os efeitos e a classificação dos projetos da sua empresa neste momento. O que é mais importante, quais são os mais difíceis de fazer por correr mais riscos… 


A partir disso, veja qual é a prioridade e análise com base em uma escala. 

Exemplo: 

Avalie de 1 a 10, sendo 1 muito baixo, 3 baixo, 5 médio, 7 alto, 9 muito alto. 

Esse é apenas um modelo para você ter ideia, mas pode usar o método que preferir. 

Vamos supor que o risco identificado está na escala 7. A partir disso, você deve avaliar os efeitos dessa ameaça na empresa. 


Na análise quantitativa, você precisa de dados da empresa para estudar todas as possibilidades de riscos da sua empresa. 


Esses dados vão ser a porta para entender quais riscos devem ser priorizados para evitar problemas irreversíveis… 


Se a probabilidade desse risco se tornar uma crise for maior, você deve priorizá-lo o quanto antes e mapear todas as soluções cabíveis para isso. 


Dessa forma, você vai conseguir traçar planos e métodos para neutralizar ou amenizar esses riscos que já foram identificados. 

Nota: essa etapa pode ser mais eficaz se fizer com mais pessoas envolvidas, assim são várias mentes focadas em pensar nos possíveis riscos.



4- Plano de Ação:

Este é o momento de criar soluções específicas para neutralizar ou reduzir o impacto dessa ameaça. É a concretização da sua estratégia de Gestão de Risco. 


É importante que você registre esse plano de ação para não perdê-lo… Uma forma rápida de fazer isso é usando um método mundialmente conhecido por ser rápido e fácil de elaborar: a 5W2H. 



5 – Análise das ações

Com todas essas etapas concluídas, basta controlar a aplicação dos métodos criados na Gestão de Riscos para saber se realmente está funcionando do jeito esperado. 


Num momento como o que estamos vivendo, o ideal é que você já tivesse esse plano pronto. Assim, não precisaria fazer tudo correndo. No entanto, pode fazer isso agora mesmo, porque é uma etapa essencial da gestão de crise.



0 visualização

Tel.: (11) 96073-1225

NEWSLETTER FORTHYS EMPRESARIAL

contato@forthys.com.br | 11 96073-1225